ANÁLISE DE LIVROS: FUVEST

Mayombe

A Fuvest fez uma escolha surpreendente em todos os sentidos: livro angolano, de um país lusófono, que narra de maneira bastante realista e sem estereótipos, uma guerrilha, no caso a do Movimento Popular de Libertação de Angola. O MPLA surgiu no fim dos anos 1950 da fusão de vários pequenos grupos anticoloniais que organizou uma luta armada contra a dominação colonial de Angola por Portugal. A guerrilha, portanto, é o contexto em que a narrativa se desenvolve e Mayombe é o lugar em que há uma base dessa guerrilha, embora o Mayombe assuma quase uma personalização, uma prosopopeia a fim de [...]

Mayombe2020-07-09T20:26:10-03:00

Para entender Sagarana: O Burrinho Pedrês

O Burrinho Pedrês é um conto fundamental dentro da coletânea que compõe Sagarana, no entanto, trata-se de um conto dentro de um livro bastante difícil. Isso porque o universo de Guimarães Rosa é absolutamente peculiar, não só na sua maneira de entender a vida, como na linguagem que o autor cria para expressá-la. Tem-se um português escrito dentro de um estilo bastante original, muito próximo da tradição oral pertencente ao povo que vivia no imenso sertão do Brasil. Essa linguagem oralizada e sem contato com os formalismos da norma culta  foi adquirida, segundo Rosa, após semanas de viagens com sertanejos,  a [...]

Para entender Sagarana: O Burrinho Pedrês2020-03-07T22:24:40-03:00

Entendendo Angústia

Graciliano Ramos Fuvest 2020 Trata-se de um livro de memórias. A história começa com o narrador, protagonista e onisciente, de pé, após convalescença decorrente de uma crise de nervos, como se chamava àquela época. É um grande monólogo interior, ou seja, narrado em primeira pessoa, desse modo, o leitor passa o tempo todo dentro da cabeça do narrador. Nessa conversa consigo mesmo há expressa muita culpa e muita mágoa da vida através da mente de um personagem atormentado por traumas de infância e fantasmas interiores que afloram sob a forma de uma perversidade crônica aplicada às pessoas que o rodeiam e [...]

Entendendo Angústia2020-03-09T11:02:12-03:00

Entendendo Sagarana: A Hora e a vez de Augusto Matraga

Uma das características mais marcantes da obra de Guimarães Rosa é escrever em prosa poética e com ela conversar com o leitor através de devaneios inconscientes, fazendo-se uso de metáforas estranhíssimas para definir o real e o fictício, para separar o fato da imaginação. Percebe-se que quanto mais próxima da dureza e da liberdade do sertão, mais a vida navega sem muito controle, intimamente ligada aos transtornos da natureza com suas picadas, chuvas ou sol excessivos, pedras, calor, espinho, sede, rio, cavalo, homem, morte, vingança, honra... A palavra jorra como um rio, cheio de meneios, curvas, oscilações, um cerimonioso e respeitoso [...]

Entendendo Sagarana: A Hora e a vez de Augusto Matraga2020-03-07T22:28:20-03:00